4 livros que te farão desejar ser analfabeto

Thiago Pasqualotto - 15:53

Diz o ditado popular que durante a vida todos devem plantar uma árvore, escrever um livro e ter um filho. Mas algumas pessoas não deveriam levar isso tão ao pé da letra. Criar filhos está cada dia mais caro e perigoso nos dias de hoje, árvores são sempre bem vindas, mas livros não é pra qualquer um.

Essas sub-celebridades provavelmente nunca sentaram na frente de uma máquina de escrever, mas tiveram suas biografias publicadas e imortalizadas este ano.


Nome:
Andressa de Faveri Urach (Andressa Urach)

Profissão:
Ex garota de programa, ex-fazenda e eterna vice miss bumbum.

Vida e obra:
Andressa Urach surgiu na mídia após ficar em segundo lugar em um concurso de Miss Bumbum. Para ofuscar a primeira colocada, Dessinha fingiu namoro lésbico com a terceira colocada, arrancou a roupa em lugares públicos e se envolveu com famosos.


Em sua biografia, a nova frequentadora do Templo de Salomão conta como se prostituía para ganhar dinheiro, do tchaka tchaka na butchaka que fazia com o seu irmão por parte de pai, da época que nhanhava com cachorros e do hidrogel que quase lhe tirou a vida.


Numa escala de 1 a 5 "Perto do Coração Selvagem", quanto Clarice Lispector odiaria:



Nome:
Thammy Cristina Brito de Miranda Silva (Thammy/Thommy)

Profissão:
Filha da Gretchen.

Vida e Obra:
Bailarina da mãe, Thammy estampou capas de revistas masculinas, namorou o Rafael Vanucci (filho da Vanusa) e ainda tentou se aventurar na carreira de cantora funk até que um dia Thammy resolveu dar um basta e mostrar quem ela realmente era: THOMMY.


E aí começa a parte mais interessante da vida de Thommy, ele levanta a bandeira LGBT, sai pegando geral, e mostra que é mais macho que muito homem.


Numa escala de 1 a 5 "Memórias Póstumas de Bras Cubas", quanto Machado de Assis odiaria:



Nome:
Maria Odete Brito de Miranda (Gretchen)

Profissão:
Cantora pop.

Vida e Obra:
Gretchen é uma cantora que não dança, atriz que não atua e dançarina que não sabe mais que 3 passos de jazz. Já vendeu mais de 15 milhões de discos durante quase quatro décadas de carreira, mas ficou conhecida mesmo pelas suas inúmeras capas de revistas masculinas e seus 17 casamentos.


Batalhadora, Gretchy chegou até a estrelar filmes pornográficos, mas segundo ela: "apenas para sustentar os filhos". Fazer faxina nunca foi uma opção, né? 


Com o livro, Gretchen promete ser a nova Martha Medeiros compartilhando lições de vida como mulher, mãe, trabalhadora, guerreira e diva pop.


Numa escala de 1 a 5 "Viagem", quanto Cecília Meireles odiaria:



Nome:
Rafael Ilha Alves Pereira (Rafael Ilha)

Profissão:
Desconhecida.

Vida e Obra:
Ex-integrante do extinto grupo Polegar que teve seu auge no fim da década de 80. Rafael se envolveu com drogas no início dos anos 90, mas o episódio mais marcante de sua "carreira" foi quando engoliu pilhas e canetas durante uma crise de abstinência. 


Atualmente é repórter do programa da Sônia Abrão, que também é a autora da sua biografia. Rafael coleciona algumas passagens pela polícia e inúmeras matérias em programas policiais. 


Numa escala de 1 a 5 "Grande Sertão: Veredas", quanto Guimarães Rosa odiaria:


Se não está fácil nem para os imortais da Academia Brasileira de Letras, imagina pra gente que lê a Caras em consultório médico.  

Coisas que eram normais nos anos 90 e provam que somos todos sobreviventes

Bic Muller - 16:28
Se você conseguiu sobreviver aos anos 90, já pode se considerar um vencedor, pois sofríamos provações quase diárias e perigos que hoje em dia são inimagináveis para qualquer criança passar. 

Entre balas assassinas, viajar no porta malas dos carros, brinquedos possuídos e programas de TV duvidosos, os anos 90 explicam muito essa nossa geração no mínimo esquisitona porém muito guerreira.

Então pega sua mola maluca, bota seu carrinho de rolimã na ladeira e vem com a gente!!


Bala Soft

Quem nunca viu a luz branca e o filminho da vida passar ao engasgar com uma bala dessas, não teve infância. Essa bala maldita tinha o tamanho e formato exatos para asfixiar uma criança. Depois eles mantiveram o tamanho mas fizeram um buraco no centro, que era pras crianças continuarem engasgando mas dar tempo de respirar até um adulto botá-las de ponta cabeça...


Pogobol

Nada mais era que um brinquedo que tinha como objetivo a criança subir sem segurança nenhuma e ficar pulando até desequilibrar e bater a cabeça no meio fio.


Xuxa encapetada

Era uma boneca gigante que diziam ser possuída pelo capeta. Inclusive muitos relatos desta misteriosa boneca mexer a cabeça sozinha e assombrar os mais terríveis pesadelos das meninas dos anos 90.


Fofão assassino

De quem foi a idéia de que seria saudável para o psicológico das crianças inventar um treco horroroso desses para entreter os pequenos? Como se não bastasse, ainda havia boatos sobre o boneco do fofão ter um punhal satanista dentro dele. Pois sim, anos depois a verdade será revelada: havia sim um negócio pontiagudo dentro dele, que pra dizer O MÍNIMO devia infringir umas 15 normas de segurança em brinquedos infantis.


Confira o vídeo


Sapo Chulé

Este simpático sapo tinha como atrativo um par de tênis que quando você tirava dos pés do boneco, empestiavam a casa com um cheiro horroroso de chulé. Qual o objetivo pedagógico deste brinquedo? Desconhecemos até hoje...


Arminha de espoleta do Rambo

Nos anos 90 as pessoas achavam absolutamente ok dar uma arminha de espoleta para as crianças...


Pipoqueira da Eliana

Já comi muita pipoca queimada na vida graças a essa porcaria...
Aliás, não conheço uma pessoa sequer que tenha conseguido fazer pipoca na pipoqueira da Eliana sem torrar.


Garrafinhas da Coca-Cola

Diziam que tinha veneno dentro das garrafinhas de coca-cola. Tenho quase certeza que era mentira dos nossos pais pra gente não estragar as garrafinhas, mas acho que até hoje ninguém de fato arriscou beber o conteúdo delas pra comprovar...


AAs infantil

Que atire o primeiro frasco de remédio quem não envederou pelo mundo da automedicação graças a este delicioso comprimidinho amarelo...


Cigarrinhos Pan

Um clássico dos "aonde é que vocês estavam com a cabeça?". Como poderia ser uma boa idéia vender cigarrinhos de chocolate para crianças a gente não sabe até hoje.


Mas não eram apenas os brinquedos que eram sem noção nos anos 90. Naquela época achavam tudo bem levar uma banda em um programa infantil pra cantar uma música cujo título era "Eu quis comer você" 


Ou uma atração internacional dizendo que não gosta de homem com pinto pequeno...


Família Dinossauro

Apesar de passar na tv pela manhã, o programa tinha pouco ou quase nada de infantil. Tratava de assuntos como o dia que a Charlene entrou no cio, o capítulo em que eles discutiam se a avó dinossaura estava velha demais e deveria ser jogada em um poço de piche para ser sacrificada e  o último episódio da série foi com o Dino num dilema se matava a família toda ou esperava o apocalipse acabar com a vida deles. Terminou com eles unidos esperando a morte e o mundo acabando mesmo.... Bem próprio para crianças, não é mesmo?


Fora isso, também se enquadrava na categoria "bonecos assustadores" com este Baby que falava "Não é a mamãe" cada vez que puxavam a cordinha...


Praga e Dengue

O que esperar de um programa infantil cujos animadores de platéia se chamavam Praga e Dengue???


Que a apresentadora se vestia assim


Em um cenário altamente inflamável?


Somos sobreviventes ou não somos? Lembrou de mais algum perigo que corríamos? Você tem algum brinquedo bizarro/perigoso que não foi listado? comenta AQUI